Dia Nacional do Samba

A partir de 1963, o Dia Nacional do Samba (02 de dezembro) passou a ser comemorado em algumas cidades brasileiras. Com o passar do tempo, essas comemora√ß√Ķes alcan√ßaram abrang√™ncia nacional.

Mas por que o samba é tão importante a ponto de merecer a instituição de um dia nacional?

O samba tem origem nas danças e ritmos africanos e assumiu características próprias em cada região do Brasil. Isso ocorreu não só pela diversidade das origens dos escravizados, mas também pela peculiaridade de cada região em que estabeleceram-se.

A primeira forte manifesta√ß√£o do samba tem registro na Bahia, com o Samba de Roda, embalado pelos tambores e viol√Ķes. No final do segundo reinado houve uma grande transfer√™ncia da popula√ß√£o negra, principalmente do Nordeste, para Rio de Janeiro e S√£o Paulo, devido ao tr√°fico interestadual de escravizados, motivado pela Lei Eus√©bio de Queir√≥s (que determinou o fim do tr√°fico negreiro em 1850). A partir da√≠, com a busca de m√£o de obra nas prov√≠ncias do Norte e o contato do Samba de Roda da Bahia com os ritmos que circulavam na cidade do Rio de Janeiro se d√° a cria√ß√£o do Samba Carioca.

Samba de Roda da Bahia
Samba de Roda da Bahia. Fonte: acervo da galeria do IPHAN

No entanto, essa hist√≥ria nem sempre foi de valoriza√ß√£o e de reconhecimento. Ap√≥s a aboli√ß√£o da escravatura (1888) e a instaura√ß√£o da Rep√ļblica (1889), o Estado brasileiro teve uma grande tarefa para resolver: decidir o futuro da popula√ß√£o negra liberta e descendente de escravizados.

O governo republicano adotou um car√°ter higienista que promoveu o embranquecimento da popula√ß√£o, f√≠sica e culturalmente. Esse projeto de embranquecimento cultural atingiu todas as manifesta√ß√Ķes afro-brasileiras, marginalizando e apagando os vest√≠gios das pr√°ticas dos descendentes de escravizados, como a tipifica√ß√£o e criminaliza√ß√£o da vadiagem, do jogo da capoeira e do pr√≥prio samba.

 

Samba no morro, ilustração
‚ÄúSamba no morro‚ÄĚ, de Ettore Marangoni (1948)

Passaram-se anos at√© que o samba fosse reconhecido e popularizado. O samba ‚ÄúPelo telefone‚ÄĚ, de Donga foi o primeiro a ser gravado. A grava√ß√£o da m√ļsica auxiliou na defini√ß√£o e difus√£o desse g√™nero, e, em 1917, fez um grande sucesso no Carnaval. Por√©m, a transforma√ß√£o do samba num elemento da identidade nacional brasileira, e sua incorpora√ß√£o na ind√ļstria fonogr√°fica, perpassou um processo de desafricaniza√ß√£o e de nega√ß√£o a elementos caracter√≠sticos da cultura afro-brasileira.

Com a influ√™ncia da classe m√©dia o samba passou por mais uma transforma√ß√£o. Para poder ser incorporado nessas novas estruturas teve que perder a pot√™ncia dos tambores africanos. Assim abriu espa√ßo para a harmonia das cordas e do piano, inaugurando os sal√Ķes para o ‚ÄúSamba Can√ß√£o‚ÄĚ. O samba de terreiro, no entanto, manteve suas ra√≠zes nas comunidades, nas rodas e nas escolas de samba.

Donga
Donga, compositor do samba ‚ÄúPelo Telefone‚ÄĚ (1917)

Desde a¬†d√©cada de 1930 o samba j√° n√£o podia ser mais associado somente aos vadios e aos malandros. Para fins de propaganda, Vargas deu andamento ao projeto de incorporar o samba √†s matrizes culturais do Brasil, dando origem ao subg√™nero ‚ÄúSamba Exalta√ß√£o‚ÄĚ. No entanto as coisas n√£o correram de forma livre, o DIP ‚Äď Departamento de Imprensa e Propaganda ‚Äď regulou e censurou muitas produ√ß√Ķes, recomendando, por exemplo, que as composi√ß√Ķes exaltassem ao trabalho e n√£o mais a malandragem.

Existem muitos outros aspectos que relacionam as hist√≥rias do Brasil e do samba al√©m dos que apresentei aqui. A hist√≥ria do samba √© associada √† constru√ß√£o da cultura brasileira e das rela√ß√Ķes √©tnico-raciais estabelecidas no nosso pa√≠s.

O samba representa um universo de influ√™ncias, vertentes e significados. Al√©m de um g√™nero musical,¬† √© um elemento importante de compreens√£o hist√≥rica, social e de resist√™ncia. Hoje se reconhece que o samba tem entre suas principais matrizes os Sambas de Roda, Terreiro, Enredo e o Partido Alto, todos reconhecidos como patrim√īnio nacional pelo IPHAN.

 

artola Nelson Cavaquinho e Juvenal
Cartola, Nelson Cavaquinho e Juvenal durante desfile da Estação Primeira de Mangueira

E aí, gostou de saber um pouco mais sobre o Samba? Conta pra gente qual parte dessa história você ainda não conhecia.

 

 

Comments

Deixe uma resposta para Thais Cancelar resposta

Your email address will not be published. Name and email are required