Dia Nacional do Samba

A partir de 1963, o Dia Nacional do Samba (02 de dezembro) passou a ser comemorado em algumas cidades brasileiras. Com o passar do tempo, essas comemora√ß√Ķes alcan√ßaram abrang√™ncia nacional.

Mas por que o samba é tão importante a ponto de merecer a instituição de um dia nacional?

O samba tem origem nas danças e ritmos africanos e assumiu características próprias em cada região do Brasil. Isso ocorreu não só pela diversidade das origens dos escravizados, mas também pela peculiaridade de cada região em que estabeleceram-se.

A primeira forte manifesta√ß√£o do samba tem registro na Bahia, com o Samba de Roda, embalado pelos tambores e viol√Ķes. No final do segundo reinado houve uma grande transfer√™ncia da popula√ß√£o negra, principalmente do Nordeste, para Rio de Janeiro e S√£o Paulo, devido ao tr√°fico interestadual de escravizados, motivado pela Lei Eus√©bio de Queir√≥s (que determinou o fim do tr√°fico negreiro em 1850). A partir da√≠, com a busca de m√£o de obra nas prov√≠ncias do Norte e o contato do Samba de Roda da Bahia com os ritmos que circulavam na cidade do Rio de Janeiro se d√° a cria√ß√£o do Samba Carioca.

Samba de Roda da Bahia
Samba de Roda da Bahia. Fonte: acervo da galeria do IPHAN

No entanto, essa hist√≥ria nem sempre foi de valoriza√ß√£o e de reconhecimento. Ap√≥s a aboli√ß√£o da escravatura (1888) e a instaura√ß√£o da Rep√ļblica (1889), o Estado brasileiro teve uma grande tarefa para resolver: decidir o futuro da popula√ß√£o negra liberta e descendente de escravizados.

O governo republicano adotou um car√°ter higienista que promoveu o embranquecimento da popula√ß√£o, f√≠sica e culturalmente. Esse projeto de embranquecimento cultural atingiu todas as manifesta√ß√Ķes afro-brasileiras, marginalizando e apagando os vest√≠gios das pr√°ticas dos descendentes de escravizados, como a tipifica√ß√£o e criminaliza√ß√£o da vadiagem, do jogo da capoeira e do pr√≥prio samba.

 

Samba no morro, ilustração
‚ÄúSamba no morro‚ÄĚ, de Ettore Marangoni (1948)

Passaram-se anos at√© que o samba fosse reconhecido e popularizado. O samba ‚ÄúPelo telefone‚ÄĚ, de Donga foi o primeiro a ser gravado. A grava√ß√£o da m√ļsica auxiliou na defini√ß√£o e difus√£o desse g√™nero, e, em 1917, fez um grande sucesso no Carnaval. Por√©m, a transforma√ß√£o do samba num elemento da identidade nacional brasileira, e sua incorpora√ß√£o na ind√ļstria fonogr√°fica, perpassou um processo de desafricaniza√ß√£o e de nega√ß√£o a elementos caracter√≠sticos da cultura afro-brasileira.

Com a influ√™ncia da classe m√©dia o samba passou por mais uma transforma√ß√£o. Para poder ser incorporado nessas novas estruturas teve que perder a pot√™ncia dos tambores africanos. Assim abriu espa√ßo para a harmonia das cordas e do piano, inaugurando os sal√Ķes para o ‚ÄúSamba Can√ß√£o‚ÄĚ. O samba de terreiro, no entanto, manteve suas ra√≠zes nas comunidades, nas rodas e nas escolas de samba.

Donga
Donga, compositor do samba ‚ÄúPelo Telefone‚ÄĚ (1917)

Desde a¬†d√©cada de 1930 o samba j√° n√£o podia ser mais associado somente aos vadios e aos malandros. Para fins de propaganda, Vargas deu andamento ao projeto de incorporar o samba √†s matrizes culturais do Brasil, dando origem ao subg√™nero ‚ÄúSamba Exalta√ß√£o‚ÄĚ. No entanto as coisas n√£o correram de forma livre, o DIP ‚Äď Departamento de Imprensa e Propaganda ‚Äď regulou e censurou muitas produ√ß√Ķes, recomendando, por exemplo, que as composi√ß√Ķes exaltassem ao trabalho e n√£o mais a malandragem.

Existem muitos outros aspectos que relacionam as hist√≥rias do Brasil e do samba al√©m dos que apresentei aqui. A hist√≥ria do samba √© associada √† constru√ß√£o da cultura brasileira e das rela√ß√Ķes √©tnico-raciais estabelecidas no nosso pa√≠s.

O samba representa um universo de influ√™ncias, vertentes e significados. Al√©m de um g√™nero musical,¬† √© um elemento importante de compreens√£o hist√≥rica, social e de resist√™ncia. Hoje se reconhece que o samba tem entre suas principais matrizes os Sambas de Roda, Terreiro, Enredo e o Partido Alto, todos reconhecidos como patrim√īnio nacional pelo IPHAN.

 

artola Nelson Cavaquinho e Juvenal
Cartola, Nelson Cavaquinho e Juvenal durante desfile da Estação Primeira de Mangueira

E aí, gostou de saber um pouco mais sobre o Samba? Conta pra gente qual parte dessa história você ainda não conhecia.

 

 

Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Name and email are required